segunda-feira, 27 de agosto de 2018

Gaúcho 73: Terno e gravata


Em 1967, Gaúcho e outros fiscais foram levados ao Rio de Janeiro por ordem do produtor Nelson Teixeira Mendes. A tarefa de Roveda e seus amigos era fiscalizar as bilheterias do longa-metragem Á Meia Noite Levarei a Sua Alma. Os jovens tiveram um problema quando foram fiscalizar uma sala do bairro de Botafogo, zona sul carioca. O gerente exigiu que todos usassem terno e gravata para iniciarem seus trabalhos. “Podia ser uma gravata sem vergonha, uma camisa amassada, aquele terninho seboso. Não importa. O homem mandava e nós tínhamos que obedecer”. Gaúcho acabou comprando as roupas formais numa loja localizada ao lado do cinema. “Só amando muito o cinema brasileiro a gente usa terno e gravata naquele calor do Rio”.

segunda-feira, 20 de agosto de 2018

Gaúcho 73: Toni Rabatoni


O diretor de fotografia Toni Rabatoni (1925-1997) foi um profissional de destaque no cinema brasileiro. O técnico foi responsável pela fotografia de clássicos da nossa sétima arte, como Barravento, de Glauber Rocha, e Os Cafajestes, de Ruy Guerra. O moço de Vacaria foi assistente de Toni em algumas produções publicitárias da Luta Filmes. “Ele sabia muito de fotografia. Tinha feito inclusive alguns cursos técnicos em Hollywood, nos Estados Unidos. Embora nunca tenhamos trabalhado juntos em longa-metragem, foi uma honra ter aprendido alguma coisa com um profissional desse nível”, reconhece Roveda.

segunda-feira, 13 de agosto de 2018

Gaúcho 73: Restaurantes da Boca



O restaurante Soberano e o bar do Seu Ferreira eram pontos de encontro de atores, diretores e técnicos do cinema paulista entre as décadas de 70 e 80. Gaúcho era presença certa nos dois locais. O técnico passava diariamente pelos locais seja pra tomar café, almoçar ou comer algum lanche rápido. “Minha preferência era pelo bar do Seu Ferreira, porque a comida era um pouco melhor e o dono era mais educado que o Serafim, proprietário do Soberano”.

segunda-feira, 6 de agosto de 2018

Gaúcho 73: Bergman



Essa história aconteceu durante as filmagens de Geração em Fuga, do diretor Maurício Nabuco, em que Roveda trabalhou como assistente de câmera.  Num período de folga da equipe, Roveda assistiu ao longa-metragem A Paixão de Ana, do diretor sueco Ingmar Bergman, no Cine Belas Artes, sala localizada no centro de São Paulo. O técnico ficou impressionado com a fotografia e os efeitos especiais utilizados pelo diretor de fotografia Sven Nykvist. Quando voltou para trabalhar no filme de Nabuco, Roveda recomendou ao amigo Giorgio Attili que assistisse à produção sueca. Após o conselho do assistente, Attili não só viu o filme como ainda utilizou alguns dos métodos e efeitos utilizados por Nykvist em Geração em Fuga. Roveda acredita que este longa-metragem esteja entre os melhores trabalhos do fotógrafo italiano.

sexta-feira, 3 de agosto de 2018

Gaúcho 73 no VSP



O diretor de fotografia Virgílio Roveda (Vacaria, RS, 02 de agosto de 1945-) esteve presente na realização de mais de 60 longas-metragens nacionais. Trabalhou com nomes significativos do cinema paulista como José Mojica Marins, Giorgio Attili, Jean Garrett, Amácio Mazzaropi, Ozualdo Candeias, entre outros. Testemunhou momentos de alegria e depressão da produção cinematográfica da rua do Triunfo. Em 2018, Gaúcho completa 73 anos. Toda segunda-feira desse mês o VSP publica um episódio curioso da carreira deste técnico.