quinta-feira, 26 de julho de 2012

"A alma dela é de plumas e paetês”


Biografia detalha a vida pessoal e profissional da musa Jussara Calmon

Anos 80. O cinema erótico estava bombando no Brasil. Nessa época, diversas atrizes chamaram atenção dos tarados por suas belas formas. Mas nenhuma atriz tinha tanto talento nesse quesito como Jussara Calmon. Isso você pode ver nas fotos que acompanham esta matéria. A doce capixaba hipnotizou os cinéfilos que encheram os cinemas atrás dos filmes da moça. Afastada do meio artístico, Jussara casou com um norueguês e mora na gelada Escandinávia. No próximo mês, a musa irá lançar a sua biografia (Jussara Calmon, Muito Prazer,) falando sobre sua vida pessoal e profissional. VSP conversou com o escritor Fábio Fabrício Fabretti, autor da obra.

Violão, Sardinha e Pão- Como surgiu a ideia de você escrever a biografia da Jussara Calmon?

Fábio Fabrício Fabretti- Foi o nosso editor que nos colocou em contato. Ele sabia que Jussara tinha vontade de escrever a sua história e que eu adoro desafios e temas polêmicos, então se tornou um casamento perfeito. Imediatamente nos tornamos amigos e a coisa fluiu muito espontaneamente. Jussara é uma pessoa muito simples e afetiva. Ela logo me apresentou sua amiga Sonia Barbosa, escritora e atriz, que também colaborou muito com o livro. Foi um perfeito triângulo amoroso-literário.


VSP- O livro traz muitas histórias inéditas sobre a atriz?

FFF- Trata-se de um trabalho inédito e muito pessoal. Jussara é uma pessoa que transitou por muitas fases na vida, várias camada sociais e algumas gerações. Ela veio das ruas do interior capixaba, onde pedia esmolas, ao submundo da cidade grande. No Rio, viveu da tortura da ditadura ao glamour da arte. Ela é parte da nossa cultura brasileira. Foi amante de homens poderosos como atores de Hollywood a jogadores de futebol. Foi a única brasileira a viver o atentado acontecido recentemente na Noruega e só conheceu o orgasmo aos trinta anos, depois de muita experiência sexual. Além de ter protagonizado o primeiro filme erótico nacional que completa trinta anos.  


VSP- Jussara Calmon tem trabalhos no teatro e televisão. No entanto, ela é mais lembrada pelos papéis no cinema, principalmente nos filmes dos anos 80. A obra aborda bastante esse assunto? 

FFF- Tentamos ressaltar todos os fatos mais importantes dos seus trabalhos, dos desfiles carnavalescos às interpretações nos palcos e nas telas. Os trabalhos de Jussara são bem distintos entre si, contendo o erotismo dos filmes, o "vedetismo" do teatro e a magia do carnaval. Costumo dizer que ela é uma atriz multifacetada, o que é raro hoje, pois tem facilidade para a comédia e o drama, sabe cantar e dançar, fica bonita em cena e ainda distribui sorrisos e autógrafos. A alma dela é de plumas e paetês. Suas histórias de bastidores prometem polemizar e dizem que há gente roendo as unhas por aí, porque Jussara não tem pudores e nem vergonha do passado. Mas ao mesmo tempo é elegante e humana.


VSP-Quais foram as maiores dificuldades em escrever o livro?

FFF- Sempre que fazemos o que gostamos nos dedicamos até a última gota de sangue. Ao menos comigo é assim. Eu amo o que eu faço. E todo trabalho que envolve mais de uma pessoa, ou seja, uma equipe com biografada, biógrafo e colaboradores, como foi o caso da Jussara, tem suas crises e divergências, que são fundamentais para o convívio e a conclusão da obra. Não tive nenhuma dificuldade, mas talvez um pouco de aprofundamento e sensibilidade maior para entender o que ela queria dizer e aonde queria chegar. Eu e Sonia somos bem diferentes. Ela é prática e humorada. Eu sou mais melancólico e dramático. Fazer uma biografia ou qualquer livro para mim é como viver um romance, temos a paixão inicial, a descoberta do convívio com o tempo e o desgaste da relação final, até a superação - ou não - da coisa. 


VSP- A biografia é baseada somente em depoimentos da Jussara? Ou houve entrevistas com outras pessoas?

FFF- As entrevistas que eu e Sonia fizemos com ela foi a espinha dorsal do livro, claro. Mas colhemos depoimentos de amigos novos e antigos, parceiros de trabalho, familiares e demais pessoas que puderam acrescentar. Também utilizamos materiais de pesquisa que, para a nossa sorte, ela guardou durante anos. Tem depoimentos de diretores, carnavalescos, atores e outros. As pastas com recortes de jornais e revistas que ela guardou por anos foram extremamente úteis. Fiquei espantado ao ver como ela é querida no meio artístico. Apesar de estar muito tempo distante do Brasil e fora da mídia, todos mantêm um grande carinho e consideração por ela.

VSP- O que você espera com este livro sobre a Jussara Calmon?
 
FFF- O que eu esperava acredito já ter conseguido, que era me desafiar e realizar o sonho dela. Agora, o que vier é lucro. Fico ansioso para saber o que as pessoas acharão. Sei que o Brasil tem um lado moralista e hipócrita, apesar da nossa ousadia e apelação, e isso me deixa na expectativa. Mas a vida é feita de riscos e, no meu caso, assim com o da Jussara, não estamos aqui para brincar. A não ser que a brincadeira seja séria!

2 comentários:

antonico disse...

Matheus, bela matéria ! A biografia dela já saiu ? Sabe onde encontro ?

Matheus Trunk disse...

Excelente pergunta Antonico. Vou tentar falar com o Fabiano porque não sei. Abração