sábado, 21 de maio de 2016

Superfêmeas III: Débora Muniz

DÉBORA MUNIZ

Luz, câmera, ação, desmaios



Por Bianca Bellucci, Heros Macedo, Heverton Bruno, Larissa Palmer, Renata Rocha e Tamires Camargo.

- Rápido! Chamem o resgate!

- Mas o que aconteceu?

- A Débora desmaiou!

E assim, a emergência foi chamada ao set de filmagem de “A b... profunda” (1983). As câmeras estavam posicionadas, os técnicos prontos e a cena da vez era um momento íntimo da personagem Helena transando com três homens em uma casa de praia. A atuação impactante poderia ter permanecido para sempre na memória de Débora Muniz, a intérprete da ninfeta. Mas não foi bem assim. A única coisa que ela lembra é que a cena é linda, cheia de florezinhas que caem pelo corpo da personagem. De resto só o breu. Estava desmaiada.

O diretor do longa, Álvaro de Moya, teve um dia incomum com sua atriz desmaiada antes dele gritar: “Corta!”. Mas, para a musa, aquele foi um dia como qualquer outro. Não porque ela estava mais uma vez envolvida em um projeto e filmando uma cena, e sim porque desmaiava toda vez que precisava ficar nua para interpretar uma personagem.

Mesmo com toda a sua coragem, perseverança e amor pelo cinema, essa não foi uma cena tão fácil de ser gravada, ainda mais se tratando do primeiro filme de sexo explícito da carreira de Débora.

Fosse nesses longas ou nas pornochanchadas, apagar era o reflexo do nervoso extremo que sentia todas as vezes que precisava se despir para gravar uma cena. A cabeça entrava em parafuso e Maria das Neves de Lima, como foi batizada, lembrava-se de toda a sua trajetória desde a saída da cidade natal, Afogados da Ingazeira, interior de Pernambuco, até tudo o que tinha sofrido, feito e desfeito para se firmar como uma atriz séria.

Ainda criança, ela saiu do Nordeste do Brasil com a família e foi para Tapejara do Oeste, interior do Paraná, local onde, com sete anos de idade, descobriu o que queria fazer da vida enquanto ia para a missa de domingo com o pai. A caminho da igreja, a menina viu uma aglomeração próxima ao aparelho de televisão que era colocado todos os dias no meio da praça. Curiosa como sempre, se aproximou e viu na tela uma garota de saia colegial vermelha e blusa branca atravessando a rua. Uma simples cena de um programa qualquer abriu os seus olhos para um novo mundo. “Eu quero fazer isso aí”. Foram as palavras que saíram de sua boca diretamente para os ouvidos do pai, que não deu bola aos delírios da criança. Eles mal sabiam o que era aquilo, mas a garota colegial permaneceu sempre em suas lembranças.

Três anos depois se mudou para São Paulo e, na adolescência, a diversão máxima era cabular aula para assistir os filmes no cinema Caboclo, na Vila Matilde, zona leste da cidade. O cinema ia cada vez mais fazendo a sua cabeça e, em 1975, o filme “Efigênia dá tudo o que tem” foi a gota d`água da paixão por esse mundo. O fato de ser apaixonada por Ricardo Petráglia, o galã do filme, ajudou muito no carinho por esse longa.

A entrada para a vida artística foi pelos palcos do teatro com a peça “Dr. John e Frank”, A menina tinha 14 anos de idade e encerrou a montagem com colegas por algumas escolas na cidade. Logo depois, decidiu entrar de vez para um grupo de atores. Buscou em anúncios de jornais e, em 1975, tornou-se aluna da escola de atores de Wilson Rodrigues, na rua Riachuelo, centro da cidade. Três meses depois, reuniu-se com outros alunos e mudou para a escola de atores de José Mojica Marins, o Zé do Caixão, onde aprendeu técnicas de intepretação e produção, além de ser apresentada à Boca do Lixo, em 1977.

Na Boca, encontrou um verdadeiro lar. Passava grande parte do dia por lá e em pouco tempo estrelou “A mulher que põe a pomba no ar” (1978) e “Perversão” (1979), ambos de Mojica.

Os desmaios começaram logo no primeiro filme, mesmo não sendo tão comprometedor, já que aparecia sem roupa, mas sentada em uma cadeira, contando uma história e sem mostrar muita coisa. O bicho começaria a pegar quando filmou uma cena de estupro em “Mundo, mercado do sexo” (1979). Messe, desmaiou de verdade.

Mas mesmo apagando nas cenas de nu, era presença certa em vários filmes, fosse em papéis principais ou coadjuvantes. Por passar muito tempo na Boca, era considerada filha de todo mundo e gostava de estar com a equipe técnica em momentos de descontração e mesmo durante as filmagens. Seu jeito de moleca não só rendia papéis em longas por toda a rua do Triunfo, como o conhecimento do processo de produção dos filmes, técnicas e direção.

Certa vez, no intervalo de gravação de “Perversão”, ela conversava com outros colegas do elenco quando o assunto se voltou aos ídolos de cada um. Imediatamente falou que era apaixonada pelo galã de “Efigênia dá tudo o que tem” e, para a sua surpresa, o rapaz do seu lado era ninguém menos que Ricardo Petráglia, a sua paixonite de adolescência.

- Ciganinha, eu fui a paixão da sua vida- disse ele, chamando-a pelo apelido que ganhou na Boca. Ela não sabia onde enfiar a cara de vergonha e, se tivesse descoberto antes quem era ele, provavelmente não conseguiria atuar ao seu lado. O motivo dos desmaios seria muito maior do que simplesmente a nudez em cena.

Porém, nem tudo eram flores e claquetes no início da carreira. O pai não aceitou que a filha fosse atriz, e Débora perdeu a conta de quantas vezes apanhou em casa. O senhor José dizia que ela era a vergonha da família.

Mas mesmo sem o apoio familiar, Débora seguiu em frente e sua carreira estava pegando fogo. As produções na Boca do Lixo também estavam em plena ebulição, mas a nova década que surgia trouxe mudanças para o cinema nacional que afetaram diretamente a rua do Triunfo. Os filmes produzidos nos Estados Unidos e Europa que estavam chegando ao solo brasileiro apresentavam conteúdo de sexo mais picante e completamente explícito, ao contrário do que era mostrado nas pornochanchadas. O público, é claro, preferiu essa novidade.

Sem alternativas, os produtores passaram a produzir esse tipo de filme e Débora foi convidada a estrelar essa nova vertente do mercado cinematográfico. Outras atrizes receberam o mesmo convite, mas, de todas, Débora foi a única que aceitou. Ela chegou à conclusão que, se recusasse, teria que abandonar o cinema, coisa que nem cogitava na época.

Não foi uma decisão fácil, tampouco rápida. Ela resistiu muito tempo, ignorou testes e ligações de produtores que a queriam num filme novo. Um dia a chamaram na produtora e perguntaram se ela faria. Entre muitos sim e não, deu finalmente o sinal positivo e os produtores imediatamente disseram: “Então assina o contrato”.

Foi desta maneira repentina que Débora estrelou “A b...profunda”. A Haway, produtora do longa, já sabia que ela estava balançada e providenciou tudo o que ela poderia precisar para se hospedar no Guarujá, local onde o filme foi rodado. Se dissesse sim, haveria uma mala e itens de higiene prontos, além de um cachê bastante gordo, suficiente para comprar um carro na época.

Assinou o contrato, filmou e desmaiou. Tudo no mesmo dia. Enquanto transava para obter uma cena, uma mistura de questões, que envolviam o que ela estava fazendo ali e o que tinha que fazer em seguida, passava pela sua cabeça. A família logo aparecia em sua mente, mas ela não desistiu.
Depois do seu sim à indústria pornô, a primeira vez que Débora encontrou na rua do Triunfo antigos colegas, como os produtores Augusto de Cervantes, Jean Garrett e José Mojica Marins, foi muito questionada. Com certa bronca na voz, eles perguntaram o motivo de ela ter se submetido a essa nova linha do cinema. Débora sempre tinha a resposta na ponta da língua e rebatia dizendo que fazia pornô porque nenhum deles havia dado um emprego para ela. Neste momento em que assumiu que realmente estava no pornô e que fazia coisas extremamente ousadas em frente às câmeras, sentiu que os antigos colegas a estavam vendo como mulher pela primeira vez. A menininha que havia aparecido no auge da adolescência e que tinha crescido naquele meio tinha ido embora e no seu lugar havia uma mulher forte, decidida e que faria de tudo para continuar no cinema. Fosse fazendo sexo na telona ou não, tudo não passava de trabalho. APENAS trabalho. E um tantinho de paixão também.

Mesmo desmaiando nas cenas de nu, Débora destacou-se nos filmes pornôs brasileiros até o fim da década de 80, quando deu um tempo na telona para dedicar-se à direção de filmes e ao teatro.

Em 1992, deixou o país para morar e trabalhar em uma casa de shows brasileira no Japão, onde permaneceu até 2003. De volta ao Brasil, ajudou a fundar a “Rama Kriya”, companhia teatral que se dedica à produção de peças na religião espírita.


FICHA TÉCNICA
Nome completo: Maria das Neves de Lima
Nome artístico: Débora Muniz
Data de nascimento: 26 de agosto de 1959
Naturalidade: Afogados da Ingazeira, Pernambuco.

Principais bilheterias da pornochanchadas:
“A mulher que põe a pomba no ar” (1978), José Mojica Marins
“Perversão” (1979), José Mojica Marins
“Mundo, mercado do sexo” (1979), José Mojica Marins

Outros trabalhos relevantes:
“A b... profunda” (1983), Álvaro de Moya
“Oh! Rebuceteio” (1984), Cláudio Cunha
“Gozo alucinante” (1985), Jean Garrett

Onde vive hoje: São Paulo (SP)

Onde faz hoje: Atriz integrante do grupo teatral “Ram Kriya”, especializado em peças espíritas.


Publicado originalmente no trabalho acadêmico Superfêmeas- as mulheres que fizeram a história da pornochanchada de autoria de Bianca Bellucci, Heros Macedo, Heverton Bruno, Larissa Palmer, Renata Rocha e Tamires Camargo, publicado como trabalho de conclusão do bacharelado em jornalismo da Universidade Metodista de São Paulo em 2014.

4 comentários:

ADEMAR AMANCIO disse...

Já vi alguns filmes seus.Completamente insólito os desmaios,e sua trajetória de atriz-pornô a agente do espiritismo.

Alex Medeiros disse...

Muito interessante a trajetória de Débora Muniz !

Alex Medeiros disse...

Muito interessante a trajetória de Débora Muniz !

Anônimo disse...

Regressa ao Cinema:
http://m.imdb.com/title/tt2387804/